Ganhe em Dólares Sem Sair de Casa

Share Up To 110 % - 10% Affiliate Program

domingo, 29 de julho de 2012

Por que os gatos sobrevivem a quedas de grandes alturas?

Segundo biólogos e veterinários, a habilidade dos gatos de sobreviver a estas grandes quedas é uma questão simples de física, biologia da evolução e fisiologia.
Em um estudo realizado em 1987, que analisou casos de 132 gatos que caíram de grandes alturas e foram levados para uma clínica veterinária especializada em emergências em Nova York, os cientistas observaram que 90% dos animais sobreviveram e apenas 37% precisaram de atendimento de emergência para continuar vivos.
Um dos gatos, que caiu de uma altura de 32 andares diretamente no concreto, teve apenas um dente quebrado e um problema no pulmão. Ele foi liberado 48 horas depois.

Feitos para a sobrevivência

Cientistas afirmam que os corpos dos gatos foram construídos para resistir a quedas, desde o momento em que estão em pleno ar até o instante em que atingem o chão.
Eles possuem uma área de superfície do corpo grande em relação ao peso, o que reduz a força com que chegam ao chão em uma queda.
A velocidade máxima alcançada por um gato em queda é menor comparada a humanos e cavalos, por exemplo.
Um gato de tamanho médio com seus membros estendidos alcança uma velocidade máxima (ou velocidade terminal) de cerca de 97 quilômetros por hora, enquanto que um homem de tamanho médio chega à velocidade máxima por volta dos 193 quilômetros por hora, segundo estudo de 1987 dos veterinários Wayne Whitney e Cheryl Mehlhaff.

Árvores

Gatos são animais que vivem, essencialmente, em árvores. Quando não vivem em casas ou nas ruas de uma cidade, eles tendem a viver em árvores.
Biólogos afirmam que, sendo assim, cedo ou tarde eles acabam caindo. Gatos, macacos, répteis e outras criaturas vão saltar para capturar presas e vão errar, ou um galho da árvore vai se quebrar, ou o vento vai derrubá-los. Então, os processos evolutivos deram a eles a capacidade de sobreviver a quedas.
"Ser capaz de sobreviver a quedas é algo muito importante para animais que vivem em árvores e gatos estão entre estes animais", disse Jake Socha.
"O gato doméstico ainda mantém as adaptações que permitiram que eles fossem bons vivendo em árvores."
Segundo os biólogos, por meio de seleção natural, os gatos desenvolveram o instinto para sentir qual lado é o lado para baixo, algo análogo ao mecanismo que humanos usam para o equilíbrio.
Então, se eles tiverem tempo o bastante, conseguem torcer o corpo como um ginasta e posicionar os pés embaixo do corpo e, com isso, cair de pé.
"Todos que vivem em árvores têm o que chamamos de reflexo aéreo para endireitar", disse Robert Dudley, biólogo no laboratório de voo animal da Universidade da Califórnia Berkeley.

Pernas e paraquedas

Gatos também conseguem estender as pernas para criar um efeito de paraquedas, segundo Andrew Biewener, professor de biologia de organismos e evolucionária na Universidade de Harvard. No entanto, ainda não se sabe exatamente como isso desacelera a queda.
Sugar sobreviveu a uma queda de 19 andares
"Eles estendem as pernas, o que vai expandir a área de superfície do corpo", disse.
E, quando eles chegam ao chão, as pernas fortes dos gatos, feitas para escalar árvores, absorvem o impacto.
"Gatos têm pernas longas e bons músculos. São capazes de saltar bem, os mesmos músculos direcionam a energia para a desaceleração ao invés de quebrar ossos", explicou Jim Usherwood, do laboratório de movimento e estrutura do Royal Veterinary College.

Ângulos e gatos urbanos

As pernas de um gato estão posicionadas em um ângulo diferente das pernas de homens ou cavalos por exemplo.
De acordo com Jake Socha, este ângulo diferente faz com que as forças "não sejam transmitidas diretamente" em uma queda.
"Se o gato caísse com as pernas diretamente embaixo dele, em uma coluna, e (as pernas) o segurassem firmemente, aqueles osso se quebrariam. Mas elas (as pernas) vão para o lado e as juntas se dobram, e agora você está pegando aquela energia e colocando nas juntas, com menos força indo para os ossos", disse.
Steve Dale, consultor especialista em comportamento de gatos para a Winn Feline Foundation, afirmou que gatos domésticos em áreas urbanas tendem a estar acima do peso e fora de forma e, por isso, suas habilidades para conseguir se virar durante uma queda e cair em cima das patas é menor.

ATENÇÃO SEMPRE:
"A lição que se aprende é, por favor, coloquem telas nas janelas"

Notícias:  BBC
Image Hosted by ImageShack.us

sábado, 28 de julho de 2012

Gato preto ganha massagem tailandesa de macaquinho

Um macaquinho de rua decidiu mostrar toda a sua habilidade com as mãos e executou uma famosa massagem tailandesa nas ruas de Kuala Lumpur, na Malásia.
Mas não pense que a massagem foi um ato generoso no macaco. O primata se divertiu durante enquanto passava suas patinhas pelas costas do gatos e, durante o processo, o macaco aproveitou para fazer um lanchinho. Ele comia as pulgas que arrancava do pelo do felino. (kkkkk)

Notícias: R7
Image Hosted by ImageShack.us

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Farra em Casa

Bom dia pessoal,

Desde a chegada da Miúcha em casa muita coisa já rolou. Ela está enorme, com 6 meses e pesando 3 kgs (o mesmo peso atual da Nina), já fez a 1a. troca de caninos, é sapeca ao extremo e a mania de morder que não tem fim. Deve ser próprio de gatinhos amarelos, pois não me recodo desta atitude (em demasia) na Nina e nem da Missy, mas fora isto é uma gatinha muito saudável, muito inteligente, ativa e muito dócil. Sabado agora vamos tomar a 2a. e ultima dose das vacinas e marcar a castração dela que será para setembro pois não faço nada que exija riscos em Agosto (sim, não curto este mês). De resto, a Nina ainda se mostra bem impaciente com a Miúcha que, sempre que pode, faz da Nina cavalinho desrespeitando totalmente a hierarquia felina em casa e a Nina não tem mais estrutura fisica para aguentar este bebezinho tão espuleta.
Bem, estamos felizes. Beijos meus e lambeijoquinhas deliciosas da Nina e da Miúcha


Image Hosted by ImageShack.us