Ganhe em Dólares Sem Sair de Casa

Share Up To 110 % - 10% Affiliate Program

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

AIDS Felina



Olá pessoal, como foram de festas? Espero que tudo esteja bem e continue melhor ainda neste ano que se inicia.

Tenho recebido alguns contatos por e-mail e/ou cometários no blog, solicitando informações sobre AIDS Felina ou Imunodeficiência Felina, assunto pouco conhecido pela população.

Em pesquisa na net, achei algumas publicações na Folha de São Paulo, e um Estudo Cientifico onde posto abaixo um resumo apenas para esclarecimento.

O FIV (Vírus da Imunodeficiência Felina) é popularmente conhecido como Aids felina, e debilita a capacidade do organismo do animal podendo ocasionar a morte. Semelhante a Aids humana, o animal contaminado pelo FIV, apresenta sintomas variados como fácil aquisição de doenças, baixa imunidade e anemia.

Por ser uma doença recentemente descoberta, não possui vacina para a cura e/ou prevenção de felinos contaminados através de mordidas e arranhões. Mas pode ser evitada quando fornecido um bom tratamento ao animal, castração, visitas ao médico veterinário e evitando contato com gatos de rua.

A Aids Humana (HIV - Vírus da Imunodeficiência Humana) teve sua primeira aparição no início da década de 80 nos Estados Unidos e, em 1981, foi definida como o Vírus da Imunodeficiência Adquirida. Em 1986, apenas cinco anos após a descoberta oficial do Vírus da Imunodeficiência Humana, o primeiro caso de Aids felina ocorreu.

Pertencente a mesma subfamília do HIV, o FIV (Vírus da Imunodeficiência Felina) apresenta grande similaridade em relação ás seqüências gênicas e ao ciclo replicativo e é um dos modelos mais promissores para o estudo da Aids Humana, porém, se difere em alguns aspectos, tais como, a transmissão, que não acomete a outras espécies e ao homem, e a definição, que não é dada como doença, e sim como um meio que proporciona mais suscetibilidade a contaminações no animal.

O FIV ataca os linfócitos, células de defesa, debilitando a capacidade do organismo do animal e ocasionando infecções. A percepção do FIV positivo se dá por sintomas característicos como a vulnerabilidade a outras doenças. Porém, existe o portador assintomático, que passa anos sem apresentar sintomas, e só é detectado por exames de sangue, com o teste ELISA feito no Brasil.

A contaminação do felino é dada por mordidas ou arranhões de gatos infectados por FIV, e não por contato sexual como é o caso do HIV. Geralmente, os gatos FIV positivo são machos e de rua, onde a concentração é alta e a taxa de estresse é contínua, o que pode ocasionar o aparecimento do vírus.

Na ocorrência de anormalidades em relação á saúde do felino, a detecção de um possível gato soropositivo, é feita a partir do surgimento de sintomas como diarréia persistente, problemas respiratórios, febre, emagrecimento, anemia, infecções e mais raramente a morte.

Por ter sido descoberta á pouco mais de duas décadas somente, ainda é inexistente uma vacina para prevenção da Aids felina, portanto, a posse responsável é o tratamento fornecido. Através de cuidados com a higiene do animal, vacinação em dia, alimentação saudável, castração e visitas freqüentes ao médico veterinário, é possível eliminar as chances de contaminação em gatos domésticos. Mas, esforços devem ser direcionados para evitar o contato de gatos potencialmente infectados com gatos FIV negativos.

Mas caso o gato seja soropositivo, a luta pela vida do felino é muito válida, principalmente para o dono do animal, já que o amor que lhe foi fornecido é eterno. Os cuidados, apesar de redobrados, são essenciais para a manutenção da vida do animal, então alimentos ricos em sais minerais, alimentação balanceada e inserção de medicamentos na dieta são recomendados, assim como amor e muito carinho.

Infelizmente, o preconceito é nítido quando o tema é Aids. Humano ou animal, esse vírus gera muito mais que doenças, ele gera abandono.
Image Hosted by ImageShack.us

8 comentários:

  1. nem imaginava que isso existia o.o'
    tem uma brincadeira pra vc la no blog ^^
    feliz 2010 !!!

    ResponderExcluir
  2. Super esclarecedor, achava que também passava pra gente! O Bom é saber que dá pra ir tratando e dando uma vida digna ao nosso amigo!
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Na realidade o que mata com certeza é o preconceito e a desinformação. Angelique, obrigada pelo carinho e por mais este texto eclarecedor. Beijossss

    ResponderExcluir
  4. De vertaler doet het niet :(
    groetjes knuffels van ons
    Kareltje =^.^=
    Anya :)

    ResponderExcluir
  5. Bom Ano de 2010!
    Sempre interessante o que escreves e sempre didático!
    Ronrons e marradinhas

    ResponderExcluir
  6. ola
    já tive um gato com sida
    infelizmente ele tava sempre com febre e não comia
    durante 3 meses demos-lhe de comer á força mas era muito dificil pois ele era bastante grande
    fizemos mais testes e ele tava com uma anemia forte
    tivemos de adormecer
    por sugestão do vet
    nessa altura tinha mais 3 gatos
    agora tenho 15 mas não vão á rua e estão todos esterilizados
    se quiseres conhecê-los passa lá no meu blog

    bjs fernanda

    ResponderExcluir
  7. Um gato de rua, que tenho vindo a alimentar e cuidar, foi atacado por um cão e ficou cheio de ferimentos bem feios. Levei-o ao veterinário e iniciou-se o tratamento. Embora os ferimentos estejam ligeiramente melhores, o gato não come nem bebe água. Ficou internado esta noite. O gato tem sida.Será que vai conseguir recuperar destes ferimentos ou, tendo um sistema imunológico frágil, vai sucumbir aos ferimentos?

    ResponderExcluir
  8. POR FAVOR,MEU GATO FOI DIAGNOSTICADO COM ESTA MALDITA DOENÇA,NÃO AGUENTO MAIS VE-LO SOFRER EM SILENCIO,FAREI QUALQUER COISA PARA SALVA-LO,EU IMPLORO SUA AJUDA,ME FALE QUAL É O TRATAMENTO MELHOR.......................

    ResponderExcluir

Eu, a Nina =^..^= e a Miúcha =^..^=
Adoramos sua visita e comentários.
Venha sempre que puder.